03/03/2023 às 14h25min - Atualizada em 04/03/2023 às 08h00min

Frente Parlamentar da Química é reconstituída com mais de 200 assinaturas

A conquista contou com apoio expressivo de deputados e senadores

SALA DA NOTÍCIA Lucas Caldini
Pixabay
Na última quarta-feira (1), a Frente Parlamentar da Química (FPQ) conquistou um importante passo para sua reconstituição dentro do Congresso Nacional. Liderada pelo deputado Afonso Motta (PDT), alcançou o número mínimo de adesões para que seja formalizada nesta legislatura. A articulação de uma frente parlamentar exige, pela atual regulamentação, o mínimo 198 assinaturas dos deputados eleitos em 2022. Neste caso, o número de apoios foi expressivo, ultrapassando a marca de 200 assinaturas.

Criada há pouco mais de 10 anos, a Frente Parlamentar da Química tem como principais finalidades aprimorar as políticas públicas federais pertinentes à competitividade da cadeia produtiva do setor químico, propor matérias na Câmara dos Deputados e no Senado Federal que possam contribuir com o desenvolvimento do setor e promover debates e estudos a fim de criar ações estratégicas para o seu aperfeiçoamento.

A Frente Parlamentar da Química conta com o apoio do Instituto Nacional do Desenvolvimento da Química (IDQ). O instituto, formado por nove associações, oferece suporte à FPQ, fornecendo informações e dando apoio a senadores e deputados para que os temas relacionados à química sejam identificados e discutidos dentro do Congresso Nacional.

Milton Rego, diretor do IDQ e presidente executivo da Associação Brasileira da Indústria de Álcalis, Cloro e Derivados (Abiclor), ressaltou a importância da conquista para o setor. “A Frente Parlamentar de Química é essencial para o setor industrial, pois trata de questões que impactam a reindustrialização do País, a geração de empregos qualificados e a melhoria da qualidade de vida. A indústria química brasileira é a 6 maior do mundo e corresponde a 11% do PIB industrial, além de ser o 3º setor industrial do PIB. Além disso, emprega direta e indiretamente cerca de 2 milhões de trabalhadores no Brasil”.

Sobre a Abiclor
A Abiclor (Associação Brasileira da Indústria de Álcalis, Cloro e Derivados) representa os interesses das principais produtoras de cloro-soda instaladas no País. São nove plantas produtivas, que respondem por 50,5% de todo o mercado latino-americano. A indústria é uma importante fonte geradora de empregos e de pagamento de impostos para o País.

SP4 Comunicação Corporativa – Agência de Comunicação da Abiclor:
Carlos Moura – (11) 98243-9332 – [email protected]
Heloisa Pereira – (11) 98582-6105 - [email protected]
 
Notícias Relacionadas »
Comentários »