13/09/2022 às 18h06min - Atualizada em 13/09/2022 às 18h10min

Saúde feminina: diabéticas devem ter cuidado redobrado no inverno  

Durante a estação, é comum que mudança de hábitos típicos do período mais frio como diminuição de atividades físicas e maior consumo de calorias elevem o nível de açúcar no sangue, prejudicando o controle da doença

SALA DA NOTÍCIA Lorena Paiva
www.medlevensohn.com.br
Divulgação

A diabetes cresceu mais rapidamente entre as mulheres durante a pandemia, saltando de um percentual de 7,8% em 2019 para 9% em 2020. Essa conclusão da Sociedade Brasileira de Diabetes pode ser explicada pelo fato de que, apesar de elas apresentarem mais cultura de acompanhamento médico, o cenário de dificuldades sociais e econômicas observado nos últimos anos atingiu a população feminina com maior intensidade, com potencial impacto nas condições para prevenção do diabetes, como acesso à alimentação de qualidade, rotina de atividades físicas, entre outros.   

Como uma doença silenciosa agravada pelo cenário dos últimos anos, os problemas na saúde gerados pela diabetes podem aumentar durante o inverno, devido à mudança de hábitos típicos do período mais frio, como diminuição de atividades físicas e maior consumo de calorias, por exemplo, que elevam o nível de açúcar no sangue, provocando o descontrole da doença.     

Por isso, durante a estação, é importante redobrar os cuidados, obedecendo a quatro pontos principais:  

 

Alimentação e hidratação  

De acordo com a nutricionista Taissa Müller, do Lach, laboratório e clínica, o ideal é realizar de três a cinco refeições por dia baseadas em fibras, carnes brancas, frutas, legumes, verduras e grãos. “Uma boa opção para o lanche são ovos cozidos, nozes e biscoitos integrais. Dessa forma, evita-se o consumo de industrializados inflamatórios ricos em carboidratos e pouco nutritivos”, afirma.  A especialista também reforça que manter-se hidratado ajuda no controle do nível de glicose no sangue e que o baixo consumo de água pode ser prejudicial aos que possuem diabetes, já que a micção exacerbada, devido aos altos níveis de glicose, pode gerar desidratação.   

Exercícios Físicos      

Os exercícios físicos também são fundamentais para quem convive com a diabetes. Recomenda-se, no mínimo, 30 minutos de exercícios aeróbicos, como caminhada, corrida ou pedalada. Essa prática estimula a produção de insulina, além de melhorar o aproveitamento da glicose pelos músculos.    

  

Rotina de monitoramento frequente   

Para um dia a dia ainda melhor, monitorar as taxas de glicose no sangue com frequência auxilia no controle da doença e reduz as chances de problemas súbitos de saúde por conta de picos elevados de glicose ou pela falta dela no sangue. Para Ana Luiza Szuster, farmacêutica e Diretora de Relações Internacionais da MedLevensohn, nesse momento é fundamental contar com aparelhos de qualidade. “Já existem no mercado diversas soluções com tecnologias inovadoras, até mesmo com comunicação bluetooth, que cabem dentro de nossas bolsas e possuem resultados seguros, de qualidade. Esses equipamentos são capazes de armazenar histórico de testagem que, atualmente, pode ser verificado em um aplicativo de smartphone, por exemplo”, reforça.         

 

A assistente de coordenação Clara Mendes, 22, diagnosticada com diabetes aos 10 anos, conta que as mudanças de hábitos e a adequação a uma nova rotina se tornaram ainda mais fáceis, pois ela pode contar em casa com aparelhos de controle da glicemia. “Eu era criança e tudo na minha vida mudou. Tive que começar a monitorar minha glicemia com frequência e a transportar frascos de insulina para todo lado.  O aparelho de verificação que eu uso é portátil, o que facilita muito minha vida e, combinado a uma bolsa térmica de insulina que utilizo, me permite conviver com a diabetes de forma tranquila, segura e sem transtornos em qualquer estação do ano”, revela.   

  

Pele hidratada  

Outro ponto importante para quem convive com a diabetes, em especial as mulheres, são os cuidados com a pele, já que a doença não controlada pode provocar mais ressecamento ou até feridas. O ar mais frio do inverno associado aos banhos quentes tende a deixar a pele ainda mais sensível e ressecada, com toque áspero. Por isso, investir em dermocosméticos é uma boa opção, já que eles possuem uma combinação de ativos especialmente indicados para pessoas que tratam doenças na pele, possuem dificuldade de regeneração ou apenas um ressecamento excessivo. 


Notícias Relacionadas »
Comentários »