08/11/2021 às 18h36min - Atualizada em 08/11/2021 às 19h00min

Nova executiva do Partido Verde de São Paulo é formada por maioria feminina

Recém-eleita, executiva da gestão 2021-2023 tem 19 pessoas que se identificam como mulheres – 51,35% do total. Número reforça defesa de pautas feministas pelo partido

SALA DA NOTÍCIA Valle da Mídia
Ainda em minoria nas cadeiras das câmaras de vereadores e da Assembleia Legislativa de São Paulo, as mulheres já são maioria na regional do Partido Verde no Estado. Dos 37 membros eleitos para a nova executiva, 19 se identificam como mulheres (51,35%). Na gestão anterior, eram 33%. 

Com mandato de dois anos, iniciado em outubro, após convenção, o Partido Verde de São Paulo reforça a importância de um de seus valores básicos: a defesa de pautas feministas. 

Para se chegar a uma maioria de mulheres, houve um movimento por equidade no partido, alavancado por líderes como a ex-deputada estadual e integrante da Secretaria de Organização do PV-SP, Regina Gonçalves, e o presidente Marcos Belizario.

“Sermos hoje a maioria numa executiva em um Estado como São Paulo, o maior colégio eleitoral do país, é o reconhecimento do quanto é importante a participação e a capacidade feminina de gerir. Que cada vez mais, em espaços como este, estejam à frente mulheres capacitadas, donas de seus próprios destinos e que vão, com certeza, criar oportunidades de trazer para pauta prioritária as políticas públicas necessárias para termos um estado e país melhor. É um avanço, demonstra o reconhecimento do partido frente à importância da participação da mulher e a necessidade de termos a equidade de gênero, porque é dessa forma que nós, do Partido Verde, entendemos que a sociedade pode caminhar para um estágio mais avançado de cidadania e justiça social”, comenta Regina.

De acordo com os dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), as eleições municipais de 2020 trouxeram um aumento do número de vereadoras (19,2%) e de prefeitas (4,4%) eleitas com relação à 2016. No entanto, em nível nacional, as vereadoras ainda são somente 16,1% do total e, enquanto só 12% das prefeituras têm comando feminino.

No Estado de São Paulo, a última eleição contou com 33,6% das candidaturas do gênero feminino, mas só 15,3% foram eleitas como vereadoras ou deputadas estaduais. A Assembleia Legislativa de São Paulo é composta por 94 deputados, sendo 18 mulheres (8,5% do total).

Desde 2009, a Lei das Eleições (Lei nº 9.504/1997) estabelece que, nas eleições para os cargos de deputado federal, estadual e distrital e de vereador, cada partido ou coligação preencherá o mínimo de 30% e o máximo de 70% para candidaturas de cada gênero.

“Nosso grande desafio para 2022 é encorajar as mulheres a se candidatarem. É enxergarmos nosso potencial e a necessidade que o Brasil tem de as mulheres também estarem no centro das tomadas de decisões”, ressalta Mônica Buava, da Secretaria da Mulher do PV-SP.
Notícias Relacionadas »
Comentários »